Um dos maiores desafios que os donos de cães encontram nos dias de hoje é passear com seu cão sem que ele puxe a guia, e hoje veremos o passo a passo para prevenir esse problema.

Provavelmente você já se deparou com cães que puxam muito a guia durante o passeio, alguns deles chegam até a arrastar seus donos durante o percurso. Essa situação costuma ser desagradável tanto para os donos quanto para os cães, e na verdade, demonstra uma falha no canal de comunicação entre eles.

Muito provavelmente você não vai querer passar por isso com seu filhote, por isso viemos dar algumas dicas que serão úteis para fazer do passeio um momento prazeroso para ambos.

PRIMEIRAMENTE, TEMOS QUE ENTENDER O QUE SE PASSA NA CABEÇA DO CÃO E QUE ACABA LEVANDO-O A ANDAR DESENFREADAMENTE A FRENTE DE SEU DONO.

Os canídeos são animais que por natureza, tem uma velocidade de deslocamento maior que a dos seres humanos e também não tem a tendência de andar em linha reta, isso acontece por diferenças morfológicas presentes em ambos e pela forma com que os cães farejam, pois os odores dificilmente seguem um rastro uniforme e retilíneo. Além disso, o mundo exterior é muito mais interessante do que o interior de um apartamento e até mesmo de um grande quintal.

Lá fora existem lugares novos, cheiros interessantes, tendência de encontrar outros animais e também a oportunidade de diminuir a energia acumulada de uma vida ociosa. Somando tudo isso, não é surpresa que os cães queiram puxar a guia e fiquem excitados na hora do passeio.

Agora que você já sabe o que se passa na cabeça do seu cão, está na hora de descobrir algumas metodologias que podem te auxiliar com seu filhote.

A PRIMEIRA DICA: ESCOLHA ADEQUADAMENTE AS FERRAMENTAS QUE VOCÊ UTILIZARÁ DURANTE O PASSEIO

Existem no mercado uma infinidade de guias e coleiras que podem ser usadas com seu cão. Guias longas podem dar uma boa margem para ele se movimentar por 3, 5 ou 10 metros. Já as guias curtas aumentam o seu controle sobre o cão.

Também podemos encontrar peitorais, peitorais para tração, peitorais anti-puxão, coleiras, enforcadores, prong colar, e-collars, guias unificadas e muito mais.

Saber quando usar cada ferramenta e qual delas é a ideal para o seu cão é essencial para garantir que o passeio seja o mais tranquilo de todos. Cada uma dessas ferramentas possui uma destinação adequada, e se bem usada, pode se tornar um facilitador enorme para a formação de um cão, porém como estamos falando de filhotes, sugerimos o uso de coleiras de pescoço nesse início de trabalho.

Levadas pelo interesse em vender algo mais caro dos lojistas ou pela desinformação de muitos profissionais que trabalham com comportamento canino, geralmente as pessoas optam pelo peitoral no início do trabalho de passeio.

A verdade é que o peitoral não é uma boa ferramenta para ensinar um filhote a passear, pois a sua função é exatamente aquela à qual estamos tentando evitar.

Os peitorais foram criados para o uso de animais de grande porte, como cavalos e gado, posteriormente colocados em Huskys e Malamutes, sempre para mesma função, puxar alguma carga. Ao usar o peitoral, você está fazendo um convite ao seu filhote para puxar a guia durante o passeio.

O peitoral é uma ferramenta que se adapta bem ao corpo dos cães, dando a eles a possibilidade de empurrar uma quantidade alta de peso e diminuindo o seu controle sobre cão. Além disso, o peitoral muitas vezes favorece a reatividade com outros cães.

Por esses motivos, não utilizamos o peitoral quando estamos falando de ensinar um filhote a passear.

Já as guias unificadas ou coleiras simples de pescoço são ferramentas confortáveis e seguras para o seu filhote e fornece a você maior controle sobre ele nesse início do processo.

A SEGUNDA DICA: DESSENSIBILIZAR O FILHOTE AO EQUIPAMENTO

Os cachorros não nascem sabendo utilizar o equipamento, e para eles não é natural o controle que o condutor tem usando a guia, por isso sugerimos que desde filhote, mesmo antes dele ter o protocolo de vacina completo, você dessensibilize o seu cão em relação ao equipamento.

Para dessensibilização você pode deixar o filhote de guia sob supervisão, e aumentar gradativamente o período que ele fica com o equipamento. Você pode fazer pequenos passeios dentro de casa mesmo, premiando seu filhote sempre que ele ficar ao seu lado.

Posteriormente você pode treinar com o cão o comando escolhido para recall com o equipamento. Iniciar os treinos de recall é simples e muito útil, basta você chamar o filhote e puxar a guia gentilmente, quando ele chegar em você, é só marcar o acerto e premiá-lo com uma recompensa de alto valor, assim ele associará a guia com coisas boas.  

TERCEIRA DICA: NÃO CRIAR RITUAIS PARA O PASSEIO

É comum que as pessoas criem alguns rituais na hora de sair para passear e isso acaba criando associações equivocadas para o cão em relação ao momento de sair de casa. Quando isso acontece, o cão já sabe que vai sair e por isso entra em um estado de ansiedade que muitas vezes é prejudicial para ele e para o passeio como um todo.

Nada de falar euforicamente, vamos passeaaaaaaaarrrrr antes de pegar o equipamento! Evite falar com seu filhote que ele vai passear, coloque o equipamento de passeio em diversos momentos que não for sair para passear, mude constantemente o local onde guarda o equipamento e evite qualquer outra situação que possa sinalizar para seu cão que ele vai sair. Isso vai diminuir as chances que ele fique ansioso antes mesmo do passeio começar.

QUARTA DICA: O PASSEIO COMEÇA DENTRO DE CASA

Outro fator importante é colocar a ferramenta de passeio somente quando o cão estiver em um estado mental calmo.

Entenda que para o seu cão, colocar a ferramenta de passeio é reforço de comportamento, como se ele estivesse recebendo um prêmio. 

Portanto, se você coloca o equipamento de passeio em um cão eufórico e ansioso, estará reforçando esse estado mental. Na cabeça do cão, ele acaba aprendendo que precisa estar sempre ansioso e eufórico para colocar o equipamento e sair de casa. É necessário inverter essa lógica, e esperar que ele fique calmo para receber esse prêmio.

Além disso, se o cão começar a puxar já dentro de casa, ou nas escadas do prédio isso significa que ele tenderá a continuar puxando durante o passeio. Por isso aproveite a idade de filhote, quando o protocolo de vacinas ainda não está completo, e treine essa parte do passeio anterior a saída de casa, premiando sempre que o cão estiver ao seu lado.

QUINTA DICA: ANDE SEMPRE COM RAÇÃO OU PESTICOS

Durante os primeiros treinos é essencial mostrar para o cão aquilo que você espera dele. Para isso, nada melhor do que recompensá-lo quando ele fizer algo certo. Por isso, sugerimos que você sempre tenha ao alcance das mãos ração ou petiscos que podem servir de reforço positivo para seu cão.

SEXTA DICA: NUNCA DEIXE QUE O CÃO CHEGUE NO OBJETIVO ENQUANTO ESTIVER PUXANDO

Seu filhote, assim como os outros cães, muito provavelmente irá puxar a guia quando quiser se aproximar de algum objetivo, seja cheirar a grama, seja outro cão, ou outras pessoas. Nunca deixe que o seu filhote alcance o objetivo enquanto puxa a guia, pois dessa forma ele estará sendo recompensando por ter puxado.

Quando você perceber que seu filhote quer chegar em algum objetivo específico, pare imediatamente e permita que ele avance apenas se estiver calmo e sem puxar a guia.

Lembre-se de sempre ficar parado e esperar que ele entre no comportamento adequado, para só então marcar e liberá-lo.

Com essas dicas, e bastante paciência e consistência, você terá um filhote que anda ao seu lado, e juntos terão um passeio bem prazeroso sem maiores aborrecimentos.

Para conteúdos como esse, fique ligado no nosso blog e nas nossas redes sociais.


Deixe uma resposta